terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A Arte de enganar.


Em Florença houve recentemente a exposição “Inganni Ad Arte”. Trata-se de uma viagem por 140 obras que mostram exemplos fantásticos da pintura trompe l’oeil, que nada mais é do que a arte de enganar o olho humano. A técnica brinca com nosso imaginário utilizando macetes, truques visuais, perspectivas e efeitos ópticos que criam uma ilusão óptica e nos fazem ver “coisas” (objetos, formas, etc.) que na realidade não existem. A expressão francesa “trompe l’oeil” significa algo como “enganar o olho”, e a técnica cria no observador a ilusão de que ele está diante de alguma coisa real, tridimensional, quase possível de ser tocada, quando está somente diante de uma representação bidimensional, plana e imaginária.

A grande intenção do artista é alterar a percepção dos que veem a obra, fazendo que nós, pobres mortais, tenhamos a sensação de enxergar uma falsa realidade. Esse jogo de simulação é o gancho da exposição em Florença, que apresenta telas dos italianos Mantegna, Ticiano e Tintoretto, e do grande pintor espanhol Diego Velázquez.

2 comentários:

  1. Seria esta técnica um precursora do cubismo?

    ResponderExcluir
  2. Olá Marcos,
    Na realidade, esse “convite ao engano” é bem antigo, vindo desde a Grécia Antiga, passando pelo Renascimento e chegando até os dias hoje, quando grafiteiros e artistas da street art o usam em profusão. A expressão trompe lóeil foi expandida ao longo dos tempos tendo encampado qualquer forma de ilusionismo acentuado empregado nas artes.

    ResponderExcluir